Quarta-feira, 4 de Junho de 2008

Sardinha, a Quinta do Bispo – Porquê? III

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.487 – 15 – Janeiro-1999

Conversas Soltas

  

         Pensei que deveria escrever sobre Aires Varela.

         Querendo faze-lo com o máximo de correcção fui, logicamente, beber na fonte de onde a informação é sempre limpa e indesmentível.

         Socorri-me do saber que nos foi legado por Victorino de Almada, no seu dicionário, onde, assim se conta:

         Aires VarelaO Sr Dr. Francisco de Paula de Santa Clara, a quem, como dissemos na introdução d’este trabalho, pedimos a fineza de nos dar alguns artigos completos a respeito dos mais salientes indivíduos do corpo eclesiástico elvense, começa a honrar-nos com uma colaboração mais assídua, subscrevendo os dois seguintes, que suprem muito vantajosamente os pobres esclarecimentos que poderíamos dar do historiador clássico Aires Varella, e de seu tio do mesmo nome, prior que foi da igreja de Santa Maria da Alcáçova.

         Eis as fontes. Agora, só a parte do relato que mais nos interessa.

Volto a citar:

............Também se chamou “D’Aires Varellaa Quinta, que presentemente se denomina do Bispo no rocio d’esta cidade. Há nos tombos da Câmara Municipal vários documentos que o comprovam ….

………..O bispo D. Manuel da Cunha houve depois a dita Quinta por compra, que fez aos herdeiros do cónego magistral, e legou-a à mitra de Elvas.

         Nos Arquivos d’esta diocese ainda existem vários instrumentos, que lavrou e assignou o notário apostólico Aires Varela; e o signal publico, de que usava, era assim: entre as maiúsculas A e V duas espadas cruzando-se pousavam sobre um altar, e ladeavam a cruz, que ali se erguia sobre a seguinte legenda: nec spe, nec metu.

         Mas as armas de sua nobilíssima família, e de que usava, traziam em campo de prata cinco bastões de verde em banda, e timbre meio leão rompante de prata e na mão direita um bastão.

         As obras da penna de Aires Varela ainda que ficaram na máxima parte inéditas, grangearam-lhe tal reputação, que ufana-se a cidade d’ Elvas de ver enumerar entre os clássicos da língua portuguesa o seu docto escriptor.

         Delle fazem a mais honrosa memoria Moreri e Nicolau António entre os estrangeiros; e dos nossos D. Francisco Manuel de Mello, o padre João de Vasconcellos, Antonio Carvalho da Costa, Diogo Barbosa Machado, fr. Jeronymo de Belem, Antonio Caetano de Sousa, J. C. de Figanière, Innocencio Francisco da Silva, e outros.

         As obras de Aires Varela que correm impressas são as seguintes:

         Successos que houve nas fronteiras dÉlvas, Olivença, Campo Maior e Ouguella o primeiro anno da recuperação de Portugal, que começou no Iº de Dezembro de 1640,

e fez fim no ultimo de novembro de 1641.”

Lisbôa, por Domingos Lopes Rosa, 1642. 4ª De 38 folhas numeradas só na frente.

         É extremamente rara esta relação; e d’um exemplar, que possuo, tirei copia, que dei à redacção do Trastagano. E foi a ditta relação reimpressa na Typographia Elvense, 1861.8º de 99 páginas.

         “Successos que houve nas fronteiras d’Elvas, Olivença, Campo Maior,e Ouguella o segundo anno da rcupreração de Portugal, que começou no 1º de dezembro de 1641 e fez  fim no ultimo de novembro de1642.”- Ibi, pelo mesmo, 1643. 4º De 112 paginas com algumas estampas, que representam a planta das praças tomadas ao inimigo.

         As obras, que Aires Varela deixou inéditas, consideram-se perdidas; e, segundo o testemunho de bibliographos de fé, erão as seguintes:

         “Successos que houve nas fronteiras d’Elvas, olivença, Campo Maior e Ouguella, e outros logares do Alemtejo, o terceiro anno da recuperação de Portugal, que começou em 1º de dezembro de 1642, e fez fim em o ultimo de novembro de 1643.,. O original estava depositado no cartorio da Serenissima Casa de Bragança, e foi devorado pelo incendio, que succedeu ao terramoto no iº de novembro de 1755. O Abade de Sever ali o viu.”

         “Genealogia de todas as Familias do Bispado d’Elvas”. Este manuscripto se conservava no meado do século passado em poder de Diogo Gomes de Figueiredo.

         Theatro das Antiguidades d’Elvas com a historia da mesma cidade e descripção das terras da sua comarca”, em folio, e constava de seis livros: 1º desde os celtas, seos fundadores, até a possuírem os mouros - 2º desde Elrei D. Affonso Henriques  até D.Fernando- 3º desde Elrei D. João 1º até D. Afonso 5º, - 4º desde elreiD. João 2º até D. Manuel - 5º desde El rei D. João 3º, até D Filippe 4º- desde El rei D. João 4º até ao cerco de Torrecusa.

         A esta obra se refere se refere D Francisco Manuel nas suas Cartas Familiares, publicadas em Roma em o anno de 1664. Na carta 62ª da 3ª centuria diz o erudito escriptor :” Mas quem quiser sabersuas memorias e antigualhas (d’Elvas), satisfará seos desejos, vendo o douto e diligente livro, que de sua historia tem composto o doutor Aires Varela, filho benemerito d‘aquela cidade, Governador de seu Bispado e Vigario Geral.”

         ....Já septuagenario e carregado de serviços passou d’esta vida para o seio da eternidade o licenciado Aires Varela em o dia 8 d’outubro de 1655......

....Jaz no cruzeiro da cathedral em frente do altar do Santíssimo Sacramento

......... E se o Cabido suffragou assim a alma do conego magistral, quantas orações não fariam os seos amigos mais dedicados?!

         Permito-me sublinhar as frases que se seguem:

quantas lagrimas e saudades lhe não espalharia sobre a sepultura o povo elvense?!

         Taes tributos se pagam à virtude! Vae já meado o terceiro seculo depois que viu seu ultimo dia o mestre e investigador das antiguidades da nossa terra, e todavia o seu nome vive e viverá na memoria das gerações.

         Na alta torre da cathedral d’Elvas espalham ainda os sinos som lugubre em o dia 8 d’outubro de cada anno; e os ministros da igreja, vestidos de lucto, gemem e fazem oracção sobre a sepultura do mestre saudoso.

         Se por acaso alguém se interessar por saber mais sobre Aires Varela, de quem a Quinta do Bispo, também teve o nome, o caminho para isso é a Biblioteca Municipal de Elvas.

         Julgo ter deixado aqui o essencial para se avaliar da qualidade e da importância do historiador, noutra ocasião, se me calhar, poderei mostrar, como ele foi integro nos seus pareceres e decisões e a grandeza moral, a dimensão humana que o tornou notável e credor do reconhecimento de todas as gerações de elvenses.

 

 Maria José Rijo

 

sinto-me:
publicado por Maria José Rijo às 22:03
| comentar
2 comentários:
De Xavier Martins a 5 de Junho de 2008 às 00:21
Este blog está MUITO mais que inteeressante -
muitas pessoas passam por aqui - vi pelo contador...
só não comentam - cada um faz como quer - mas eu
gosto sempre de comentar - porque são textos de uma
qualidade extrema - de um português dos melhores
e o assunto muito bem apresentado e explicado -
quem não percebeu - percebe agora - só se estiver
adormecido - mais ou menos isto...

MAs eu Xavier Martins gosto do que escreve - desta
forma de um português perfeito - os meus
Parabéns por este blog que FAZ a HISTóRIA dessa
cidade.

Continue POR FAVOR a elucidar quem passa
Com imensa amizade

Xavier Martins
De Flor do Cardo a 5 de Junho de 2008 às 00:31
Agora que tenho em dia este seu blog - as minhas
leituras aqui - chegaram a este dia de hoje.
Como então - agora continuo no mesmo lado em
que sempre estive - mesmo quando - vivia aí em
Elvas.
A luta desigual pela Quinta do Bispo - trouxe-me
tristeza ao coração - quando vi a causa perdida,
quando o Linhas lhe tirou o tapete - por dizer de
alguma maneira - não esqueço certo dia em que o
Jornal quase emudeceu - num dia em que tinha de
continuar a lutar - senti aí nessa hora que a chama
se apagava lentamente.
Ainda hoje lamento imenso que as almas negras -
do outro lado do betão - nunca tenham percebido
que a luta era desigual e que lutavam pelo lado
errado do ring ...
Vi nas fotos como é lastimável o estado de
preservação da Quinta de Sardinha - só tenho de
lamentar e muito. Os elvenses continuam a dormir
e continuam a perder, a perder e a perder...

Deixe ver o que mais vão perder?...

Parabéns pelo blog
Dois temas muito fortes aqui neste começo de blog.
Vou estar atento.
Um abraço amigo

Flor do Cardo

Comentar post

.Quem sou

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Agora diz-se

. Aniversário do Coral Públ...

. Um testemunho

. Conservação e Restauro do...

. As lembranças do Forte da...

. PROGRAMA-Cultura/Turismo ...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

.Ficou Escrito...

. Junho 2017

. Maio 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.Por onde me levo

.Contador - Julho-2007

.Ficou Escrito:

Câmara de 1986 - 1989 @@@@@@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@@@@@

.Excertos de artigos

Considero que é urgente e necessário provar aos nossos jovens que o dinheiro não compra consciências e é de nossa obrigação dar-lhes alternativas à droga e ao vício, mostrando-lhes que se pode lutar por ideais - dessinteressadamente - e que, só assim procedendo teremos moral para apontar caminhos e fazer exigências - do que dermos exemplo... - Maria José Rijo @@@@@@@@@@ Os elvenses de agora são dessa mesma grata e honrada gente - que a qualidade de assim o ser é deles a melhor herança. ... - Maria José Rijo
blogs SAPO