Sábado, 15 de Março de 2008

O FORTE DA GRAÇA - Do Nascimento á Ruína VII

Retomando, hoje, uma vez mais o livro de Costigan – vale a pena chamar a atenção para a impiedosa lucidez com que se retratam os vícios, de que, já então, enfermava a nossa sociedade.

     A certo passo em conversa com uma personalidade portuguesa “Lord Freeman” pede para que lhe seja explicado: “o que é verdadeiramente um empenho porque não conhece em Inglaterra a palavra que lhe corresponde e: “gostaria de saber a sua verdadeira significação”.  

    A personalidade em questão, um cônsul, explica, e, depois de várias considerações, sintetiza assim:

    “Somente direi que são (os empenhos) pelo que julgo, motivo de uma decadência geral e impedem que toda e qualquer questão seja conduzida como deve ser”.

    Sendo embora que, ainda hoje, é quase sempre, esta a função do empenho e, mesmo tendo em conta que, neste livro quase só se reconhecem méritos aos ingleses, temos que concordar que nenhuma das nossas fraquezas, que o autor comparte generosamente com os espanhoes, deixou de ser escapelizada.

     Mas... voltemos aos artigos de F.A. Rodrigues Gusmão em 1881 in: “O Elvense”

 

     «Do cabedal que se despendeu com esta obra magnifica, nos deixou miúda informação a douta filha de quem a dirigiu, D. Maria Luiza de Valleré, em uma das suas notas ao Elogio Histórico de seu ilustre pae, o tenente general Guilherme Luiz António de Valleré, escrito sábio academico Francisco de Borja Garção Stockler.(14)

     Começou a construcção em Julho de 1763; até principio de 1777 custou 734,890,174 réis, desde o anno de 1778 até ao de 1792 custou 32,308,865 réis: total 767,199,039 réis”

 

III

 

                                           

            M. Valleré teve a satisfação de ouvir a el-rei D. José as mais graciosas palavras de aprovação, quando em Setembro de 1769 foi pessoalmente visitar o Forte de Lippe.

     Também visitou esta fortaleza o príncipe de Waldeck, reputado como um dos mais esclarecidos apreciadores de semelhantes construções; e não só a achou admirável, mas não duvidou conceitual-a, segundo Link affirma (15), como uma obra-prima de arquitectura militar, superior a tudo quanto elle tinha visto n’este género.

     Visitaram o Forte de Lippe os engenheiros franceses, empregados no serviço d’ Inglaterra, que acompanharam o general Stewart na inspecção das fortalezas, e reconhecimento das fronteiras de Portugal (16)»

 

     E, deles, passemos de novo a Costigan, para nos ficar pela leitura o testemunho de que, afinal, talvez não fosse assim muito ortodoxa a forma como se passavam informações – a estrangeiros – quando o Forte ainda não era visitável...

        Parece que “Lord Freeman” que não sabia o que era “empenho” – lhe gozou o proveito antes de aprender o significado da palavra...

 

     «Ao regressarmos do jantar em casa do governador, o Sr. de Valleré disse-nos que, visto não nos ter sido possível visitar o interior do Forte de Lippe, tão digno de ser por nos observado, queria-nos fazer esquecer esse dissabor o melhor que pudesse, e, assim, mostrou-nos, quando fomos a casa dele, todos os documentos que lhe diziam respeito, as suas elevações, secções e contornos, desde a grande cisterna à galeria que corre em redor, por, baixo do caminho coberto, as galeries d’écoute ou galerias de escuta, as oficinas destacadas e as ramificações das minas; a limpeza e carregamento das armas, feita tanto quanto possível no interior do monte, o processo de reparação sem delongas de barracas e parapeitos e de formação de novas baterias de tiro rápido; levantamento de armas no ângulos salientes, para assim poderem ser apontadas em qualquer direcção no momento de fazer fogo, com o processo de as descer para as carregar imediatamente depois; a eficácia das fábricas de pólvora para produzirem este explosivo em quantidade em qualquer emergência; os materiais guardados em armazéns prontos para uso, e muitos outros exemplos de engenho do conde de Lippe na construção e defesa desta importante fortaleza, única deste reino, segundo julgo, merecedora de tal nome.»

 

                      Maria José Rijo

 

@@@@

Linhas de Elvas

Nº 2.271 – 28-Outubro – 1994

Conversas Soltas

 

 
sinto-me:
música: Forte da Graça - 7
publicado por Maria José Rijo às 23:06
| comentar
1 comentário:
De Xavier Martins a 16 de Março de 2008 às 01:54
DESLUMBRADO

é o que lhe posso dizer.
Lindo por tudo o que conta.
Elucidativo e histórico
Revelador e especial.
~
Gosto do seu blog e MUITO.

Parabéns

Xavier Martins

Comentar post

.Quem sou

.pesquisar

 

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Agora diz-se

. Um testemunho

. Conservação e Restauro do...

. As lembranças do Forte da...

. PROGRAMA-Cultura/Turismo ...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

.Ficou Escrito...

. Maio 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.Por onde me levo

@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@ @@@@@@ Campanhas @@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@@@@@

.Contador - Julho-2007

.Ficou Escrito:

Câmara de 1986 - 1989 @@@@@@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@@@@@ O FORTE DA GRAÇA @@
@@@@@@@@@@@@@@@ A QUINTA DO BISPO
@@ANTÓNIO SARDINHA
@@@@@@@@@@@@@@@ Recuperação da Biblioteca Municipal -- Mandato de 1986-1989 @@@
@@Eurico Gama
@@@@@@@@@@@@@ Ex-libris- Eurico Gama
@@@@@@@@@@@@@ Forte da Santa Luzia
@@@@@@@@@@@@@ O Orgão da Sé
@@@@@@@@@@@@@ Escola Musica - Coral
@@@@@@@@@@@@@ Programa Cultura/Turismo Maria José Rijo- 1986-1989 @@@@

.Algumas fotos:

@@@@@@
@@@@@@
@@@@@@
@@
@@@@@@@@@@ Dr. Mário Soares
@@@@@@@@@@ Dr.Pires Antunes
@@@@@@@@@@ Drª Rosa Cidrais
@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@

.Excertos de artigos

Considero que é urgente e necessário provar aos nossos jovens que o dinheiro não compra consciências e é de nossa obrigação dar-lhes alternativas à droga e ao vício, mostrando-lhes que se pode lutar por ideais - dessinteressadamente - e que, só assim procedendo teremos moral para apontar caminhos e fazer exigências - do que dermos exemplo... - Maria José Rijo @@@@@@@@@@ Os elvenses de agora são dessa mesma grata e honrada gente - que a qualidade de assim o ser é deles a melhor herança. ... - Maria José Rijo @@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@
blogs SAPO