Segunda-feira, 10 de Março de 2008

“Forte Da Graça” Do Nascimento à Ruína II

        É evidente que não tenho a presunção de dar lições de história.

        Essas funções não me cabem, nem delas saberia dar conta.

        O que eu pretendo é falar sobre estas pequenas coisas que, no dia a dia, caiem sob os nossos olhos, nos prendem a atenção, e achamos tão interessantes que sempre nos apetece reparti-las com alguém mais.

Aqui fica dentro dessa linha, um excerto da “tal” carta, do Livro de Costigan, datada de 1778, em que se refere o Forte da Graça – que como se sabe -  foi construído entre 1763 e 1792.

 

 Chegados a Elvas, onde nos propúnhamos permanecer algum tempo, uma das sentinelas que estacionava á porta perguntou-nos num tom altivo donde vínhamos e o que é que nos trazia. João Carlos respondeu que vínhamos de Estremoz e que tínhamos cartas para sua excelência o governador. A sentinela então conduziu-nos ao oficial comandante da guarda, que nos deixou seguir até à casa do governador, acompanhados por um soldado, que levou os nossos cavalos à arreata; ficamos à porta, onde se juntou a populaça para nos ver.

Quando sua excelência acabou de ouvir missa, mandou-nos chamar.

       Lord Freeman apresentou a carta que levávamos. Depois de a ter lido, o governador disse que estimava muito ter a honra de nos conhecer; que a sua própria casa, o seu regimento, os fortes vizinhos de Santa Luzia e de La Lippe, a própria província do Alentejo, toda ela, estavam às nossas ordens para de tudo dispor como melhor nos parecesse; que esperava que o desculpássemos de não nos receber naquele momento, pois tinha vários negócios a despachar, mas que nos pedia o obséquio de jantar com ele à uma hora. (...)

   (...) Depois de muitas palavras sobre nadas, veio o café, e Lord Freeman aproveitou a ocasião para pedir ao governador autorização para ver o Forte de Lippe. Valleré puxou-o pela manga do casaco para o impedir de sofrer uma recusa, mas foi tarde de mais; o governador recorreu a Valleré para que confirmasse as positivas ordens que recebera da corte de não permitir a visita do forte a quem quer que fosse, e de mais a mais não sendo ele, nesse momento oficial ao serviço de Portugal; que um outro viajante também oficial, passara por ali, havia um ano, mostrara também grandes desejos de o visitar, e não o conseguira pela mesma razão.

 Declarou ter muita pena de não poder aceder ao nosso pedido, mas que tínhamos plena liberdade de examinar toda a guarnição e o Forte de Santa Luzia com o major-general. Convidou-nos então a irmos à esplanada na tarde do dia seguinte; daria ordem a um dos regimentos da guarnição para manobra diante de nós. Agradecemos, prometemos não faltar e em seguida despedimo-nos.

    Não dormimos a sesta, como todos os outros fizeram, mas percorremos os baluartes da guarnição. Encontrámo-los em boa ordem devido aos cuidados do Sr. de Valleré, que nos pôs a par de tudo quanto era

necessário para nossa elucidação; achámos as casernas dos soldados e as casamatas (um grande número das quais tinham sido construídas recentemente) asseadas e muito cómodas; os soldados, bem postos, tinham um ar marcial.”

 

              Curiosa a particularidade de se frisar o segredismo que envolvia o Forte de Elvas (que foi considerado uma obra-prima no seu género) não permitindo visitas ao interior da fortaleza, que, ao seu tempo, teria o papel de uma “Linha Maginot” ou uma “Siegfried” dos nossos dias.

       Assim, era defendida de curiosos, estrategas estrangeiros ou possíveis espiões, como arma de guerra, que era, e, como tal fazendo depender muita da sua eficácia, da surpresa que pudesse representar para os atacantes inimigos.

    Mas, para além das referências ao Forte de Lippe é quase romântica para a minha geração e para as de hoje, naturalmente, -que do Forte de Santa Luzia só conhecemos o recorte fantasma das suas nobres ruínas – ler um relato, se bem que breve, dos tempos em que ele era palco duma vida marcial actuante.

     Fica-se, depois disso, a pensar se os “homens” – realmente - não podem ou, não querem alterar o que parece ser o destino fatal de certos monumentos.

    Fica-se a cogitar em nome de que princípios ou interesses se deixam morrer esboroando-se lentamente testemunhos tão ricos da história de um país...

    E, apetece sonhar que nestas noites doces de Outono da nossa terra, Santa Luzia rezará para que “Nossa Senhora da Graça” – seu irmão mais novo (que viu nascer) – resista ao desamor até que os “homens” acordem ao toque de clarins que anunciem a alvorada de dias melhores.

É que as pedras – todos o sabemos - guardam muita da sabedoria dos tempos e contam no presente como contarão no futuro, a quem as escuta - lágrimas, alegrias, humilhações e glórias do passado...

   E, assim, se irá escrevendo a história.

.

                          Maria José Rijo

@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

 

Nº 2.266 – de 23 – Set.-1994

Conversas Soltas

 Fotos tiradas da Internet

e do Blog -->  http://olhares-meus.blogspot.com/

 

 

sinto-me:
música: Forte da Graça - 2
publicado por Maria José Rijo às 22:30
| comentar
2 comentários:
De Xavier Martins a 10 de Março de 2008 às 23:04
Olá Boa noite
Cá estou eu de novo. Gosto imenso deste seu
blog. Encontra-se algumas coisas na Internet
sobre o Forte da Graça - no entanto são
informações que se vêm em todos os lugares.
Nada de novo para ser exacto.
Aqui - neste seu novissimo blog - tenho o prazer
de encontrar uma prosa muito boa - cujas
informações - me são completamente
desconhecidas.
Devo dizer-lhe que já consta da minha lista de
Favoritos.
Gosto do seu blog.
Parabéns

Xavier Martins
De Maria José a 11 de Março de 2008 às 23:46
Obrigada pela sua visita e pelo interesse que o assunto lhe merece.
Como sabe, têm acontecido muitas coisas tristes - também- com o nosso património militar.
Ora aconteceu que num Diário da Republica apareceu a notícia da venda em hasta publica do Forte da Graça.
A cidade em peso reagiu, como é óbvio.
Foi então que decidi escrever durante algumas semanas focando sempre o mesmo tema -
o Forte.
Não pretendi fazer história - pretendi pela
insistência
ajudar a salvar um testemuho importante
da nossa história - só isso.
Cumprimentos e muito obrigada -

maria José

Comentar post

.Quem sou

.pesquisar

 

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Agora diz-se

. Um testemunho

. Conservação e Restauro do...

. As lembranças do Forte da...

. PROGRAMA-Cultura/Turismo ...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

. PROGRAMA -Cultura/Turismo...

.Ficou Escrito...

. Maio 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.Por onde me levo

@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@ @@@@@@ Campanhas @@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@@@@@

.Contador - Julho-2007

.Ficou Escrito:

Câmara de 1986 - 1989 @@@@@@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@@@@@ O FORTE DA GRAÇA @@
@@@@@@@@@@@@@@@ A QUINTA DO BISPO
@@ANTÓNIO SARDINHA
@@@@@@@@@@@@@@@ Recuperação da Biblioteca Municipal -- Mandato de 1986-1989 @@@
@@Eurico Gama
@@@@@@@@@@@@@ Ex-libris- Eurico Gama
@@@@@@@@@@@@@ Forte da Santa Luzia
@@@@@@@@@@@@@ O Orgão da Sé
@@@@@@@@@@@@@ Escola Musica - Coral
@@@@@@@@@@@@@ Programa Cultura/Turismo Maria José Rijo- 1986-1989 @@@@

.Algumas fotos:

@@@@@@
@@@@@@
@@@@@@
@@
@@@@@@@@@@ Dr. Mário Soares
@@@@@@@@@@ Dr.Pires Antunes
@@@@@@@@@@ Drª Rosa Cidrais
@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@

.Excertos de artigos

Considero que é urgente e necessário provar aos nossos jovens que o dinheiro não compra consciências e é de nossa obrigação dar-lhes alternativas à droga e ao vício, mostrando-lhes que se pode lutar por ideais - dessinteressadamente - e que, só assim procedendo teremos moral para apontar caminhos e fazer exigências - do que dermos exemplo... - Maria José Rijo @@@@@@@@@@ Os elvenses de agora são dessa mesma grata e honrada gente - que a qualidade de assim o ser é deles a melhor herança. ... - Maria José Rijo @@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@
blogs SAPO