Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2008

Carta de Leite Rio

 

LEITE RIO

7300 Portalegre

 

 

Exmo. Senhor:

Dr. Miguel Sanches Baena

 

Tal como solicitado por V.Exª e pelo Exº Senhor presidente da Câmara Municipal de Elvas, envio pela presente, algumas considerações e consequente proposta de honorários, para o projecto de recuperação de honorários, para o projecto de recuperação e adaptação do Forte de Santa Luzia em Elvas.

Esta proposta abrange as áreas do Desing de Equipamento e Comunicação, para além da produção de programas audiovisuais.

*

1- A diversidade dos trabalhos a realizar neste projecto é para além dos trabalhos gráficos e audiovisuais, de carácter imprevisível, dado o estado do imóvel e o tipo de intervenção no mesmo.

*

2- A interligação e multidisciplinaridade que caracteriza o projecto, obriga a estudos de conjunto e constantes adaptações do espaço e equipamento interior.

*

3 – O facto de grande parte dos trabalhos, especialmente a produção de equipamento interior, dever ser executado em Elvas, obriga a constantes deslocações para acompanhamento dos trabalhos e boa execução dos mesmos.

 

Assim, e pelas razões sumariamente atrás descritas, a existir desde a aprovação do ante projecto e que será consagrado com a empresa Manus Artis.

O ante projecto, será composto por peças desenhadas e descritivas para além de levantamento fotográfico, trabalho audiovisual explicativo e exposição do conjunto de propostas sectoriais.

 

Espero com estas considerações e propostas ter contribuído para um esclarecimento do nosso projecto comum e que muito me gostaria ver realizado. Para tal, considere-me V.Exª aberto à discussão da presente proposta que espere vá de acordo com o solicitado.

 

Com os melhores cumprimentos

Luís Fernando Correia Leite Rio

 

 

 

sinto-me:
música: Camara - 1986-1989
publicado por Maria José Rijo às 22:49
| comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 1 de Dezembro de 2008

Projecto do Forte de Sta. Luzia - carta - I

Miguel Sanches de Baena

Lisboa

 

 

Exmo. Senhor

Presidente da Câmara Municipal de Elvas

Assunto: Projecto de remodelação e adaptação do Forte de Santa Luzia – Elvas

 

 

Em aditamento a anteriores contactos sobre o assunto em epigrafe, venho por este meio comunicar a V.Exª o orçamento estimado pela equipe sob minha orientação, para elaboração, acompanhamento e conclusão de todos os trabalhos inerentes ao processo de reabilitação do aludido forte. (Não estão incluídos trabalhos de engenharia Civil e electrotécnica, contando para eles com os técnicos municipais).

 

Os diferentes vectores que compõem a resolução final do trabalho proposto, revestem-se de características particulares pelo que V. Exª poderá ficar em fotocópias anexas, os diferentes técnicos envolvidos no processo, apresentam distintas e justificadas propostas de honorários.

Como V. Exª se dignará verificar, exceptuando os trabalhos de arquitectura propriamente dita, (a cargo do Arquitecto Pedroso Lima) e que estão consagrados por decreto-lei, entenderem os restantes membros optar por uma solução de avença, convictos de que tal facto, contribuirá para a solução que todos gostaríamos de ver realizada.

 

Deus guarde V.Exª. por muitos anos

 

Miguel Sanches de Baena

sinto-me: forte de Sta. Luzia
música: Camara - 1986-1989
publicado por Maria José Rijo às 23:18
| comentar | ver comentários (1)
Domingo, 25 de Maio de 2008

Leitores escrevem sobre a Quinta do Bispo

 

 

@@@@

.

Jornal Linhas de Elvas

16 - Dezembro de 1994

sinto-me:
música: mais cartas de Apoio
publicado por Maria José Rijo às 17:56
| comentar

Carta de apoio de Joaquim Pereira

 

 

 

 

@@@@@

 

Carta de 23 de Novembro de 1994

Coimbra

 

sinto-me:
música: Carta de Joaquim Pereira
publicado por Maria José Rijo às 17:49
| comentar
Domingo, 20 de Abril de 2008

Carta -- Dr. João Falcato

Senhor Director do Jornal

Linhas de Elvas

 

Exmo. Senhor:

 

Vivi em Elvas bastantes anos. O meu contacto diário com alunos e famílias deu-me razões para uma recordação muito grata desse tempo.

Afastado por deveres profissionais, Elvas continuou a ser para mim a referência duma das melhores épocas da minha vida. Hoje ainda, já lá vão bastantes anos, sinto-me ligado à cidade como se ela fosse a terra do meu segundo lar.

Desejo que Elvas não venha a perder nunca algumas dessas características e desse testemunho do património que sempre fizeram dela uma das mais lindas urbes de Portugal.

 

A Quinta do Bispo é um dos elementos ricos e significativos do património elvense. O seu significado transcende os interesses locais. Não esqueçamos que há séculos ali decorreram vidas que fazem parte dos factos nacionais.

Preservar esse recinto, embelezá-lo é dever de todo o elvense. Destruí-lo, não – tal atentado só pode passar pela cabeça de quem tem por culto valores do cimento armado que levam a rendimentos materiais, desprezando os valores espirituais.

 

Uma terra só é rica quando sabe conservar as suas tradições, preservando-os dum falso progresso.

Associo-me, pois, àqueles que estão levantando a sua voz para  que Elvas não fique empobrecida sob o argumento falso da melhoria de condições de vida.

Aqui estou, portanto, a comparticipar com a importância de 500.000$00 (quinhentos mil escudos), esperando que em breve sejam alcançados os objectivos desta cruzada de amor pela sua terra, em boa hora levantada pela senhora D.Maria José Rijo.

 

Com os melhores cumprimentos

 

João Falcato

 

JORNAL LINHAS DE ELVAS

Carta Dr. João Falcato

sinto-me:
música: carta nº 6 - Dr. João Falcato
publicado por Maria José Rijo às 20:31
| comentar | ver comentários (2)

Carta de Matilde Rosa Araújo

Maria José, Boa Amiga

 

Venho escrever-lhe tão tarde!

Perdoe – para lhe dizer quanto compreendo o seu desgosto ao defender o não loteamento da Quinta do Bispo com tanta paixão.

 

Quando tive a felicidade de estar em Elvas, como professora da escola técnica, para além de todo o bem que aí encontrei na escola, na cidade, na paisagem tive, também, a alegria de a conhecer e a seu marido cuja amizade não posso esquecer. Com saudade!

 

A Maria José com gentileza e carinho, e orgulho na sua terra, levou-me a conhecer a Quinta com todo o seu encanto paisagístico e cultural.

Temos tão poucos redutos da memória do nosso povo, dos nossos poetas e artistas, que não podemos deixar perder um lugar como a Quinta do Bispo que apresenta no seu historial tantas razões para ser salvaguardada.

 Penso que tudo se poderá rever neste desencontro de vontades como a paz daqueles que buscam com amor, a solução para causas justas. E tudo conciliar.

E confio, Maria José, vejo, de longe do tempo, a doce Senhora que me recebeu com tanta ternura, a envolvência dos livros, das árvores, do plátano irmão daqueles que ali se albergaram há tanto.

 

Elvas, merece ter, preservar este canto de grande memória cultural que já tantas terras perderam.

 

Abraço-a Maria José, com ternura e admiração.

Espero que a sua luta, sem armas, lhe entregue as flores que merece a sua Elvas, que tanto tem defendido com amor e isenção.

 

Um beijinho muito amigo da

Matilde

sinto-me:
música: carta nº5 - Matilde Rosa Araújo
publicado por Maria José Rijo às 19:44
| comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 18 de Abril de 2008

MAIS UMA CARTA E… um cheque

Continuam a chegar – tanto à nossa redacção como à residência da nossa colaboradora Maria José Rijo – os testemunhos de apoio inequívoco ao não loteamento da Quinta do Bispo.

No princípio desta semana, um leitor habitual do “Linhas” em Coimbra enviava a Maria José Rijo uma carta, cuja principal passagem aqui transcrevemos:

“ Permita-me que manifeste, por intermédio destas desvaliosas palavras, todo o meu apoio e sincera admiração pelo modo como tem actuado no tormentoso caso da “Quinta de António Sardinha”. Teria desejado traduzir esse apoio numa presença efectiva em órgão da imprensa local. Confesso, porém, que me encontro presentemente de todo desmotivado (e por vários títulos) dessa colaboração. Por outras palavras: no horizonte da minha vida, “Elvas cada vez mais longe me vai ficando”…

No entanto, para não ficar fora de todo, venho pedir a V.Exª. que considere, no montante da subscrição para a compra da Quinta do Bispo, a minha contribuição de cem mil escudos. Remetê-la-ei quando V.Exª dela necessitar.

Agradeço que qualquer referência à mencionada contribuição se processe através da simples menção de “Um anónimo – Coimbra”.

 

Respeitando pois a vontade de anonimato, anotamos o contributo de mais estes cem contos para a campanha de aquisição da Quinta do Bispo pelos amigos de Elvas. Uma campanha que entretanto se viu enriquecida com mais um cheque, no valor de 20 mil escudos, entregue na nossa redacção pelo engenheiro João Carneiro Pinheiro.

Assim, em jeito de balanço, aos 853.945$00 que já haviam sido contabilizados nas semanas anteriores, há que juntar agora mais estes 120.000$00, pelo que neste momento o total é já de 973.945$00.

Quase sem darmos por isso, qual “formiguinha laboriosa”, a campanha da Quinta do Bispo aproxima-se rapidamente do primeiro milhão de escudos….

...

Jornal Linhas de Elvas

publicado por Maria José Rijo às 22:23
| comentar | ver comentários (1)
Domingo, 13 de Abril de 2008

QUINTA DO BISPO – O episódio final?

 

A questão do loteamento da Quinta do Bispo, lançada nestas últimas semanas nas páginas do Linhas conhece hoje um aparente epílogo.

Reagindo à carta aberta que foi dirigida há 8 dias pelo Presidente Rondão Almeida, a ex-vereadora do Município Elvense e colaboradora do nosso jornal, Maria José Rijo, entendeu de elementar justiça deixar aqui algumas outras considerações, que referem serem definitivas.

 

..

Exmo. Senhor Presidente

 

Queira V.Exª aceitar as minhas saudações e, com elas, o meu muito obrigada pela delicadeza de ter gasto comigo algum do seu precioso tempo – escrevendo sobre a carta que neste mesmo jornal lhe enderecei.

Li tudo com a maior atenção – não encontrei as respostas pedidas mas, vamos ao assunto:

 

a)      Não pretendo, nunca pretendo ofender V.Exª ao afirmar que não o escolheria para o lugar que ocupa. Só por distracção V.Exª pode ignorar que eu apoiava outro candidato. Dessa circunstância se deduz à evidência o que afirmei.

b)      Isto nada tem a ver com o Partido Socialista, (não estamos a tratar de ideologias). Eu teria com toda a esperança e entusiasmo apoiando o Eng Barrocas Guerra.

c)      Não disse que V.Exª deveria ter vivido sempre em Elvas. Disse e reitero que V.Exª viveu tempo demais fora de Elvas.

d)     Nada referi sobre o espaço que V.Exª deliberou eleger para sala e sessões – mas – se deseja saber dir-lhe-ei. Em nenhuma Biblioteca Erudita do país – e, é o caso – se entra sem deixar na recepção identificação completa e, até, a malinha de mão. Estas normas não foram instituídas contra quem quer que seja – mas sim – a favor e em defesa de todos e do património bibliográfico que nelas se preserva.

e)      Quando falei em desmantelar a recuperação da Biblioteca referia a paragem de serviços imprescindíveis (que por terem sido qualificados de não prioritários – cito a secretária de V.Exª) foram desprovidos do pessoal que os assegurava. A defesa do arquivo – como deve saber – tem sido motivo de luta tenaz. Dela faz parte até a colocação duma lápide na entrada para a ela vincular o próprio

a)      Presidente da República. Só a corajosa recuperação no arquivo, efectuada o tem salvo até agora ter sido transferido para Portalegre. Numa Biblioteca – o arquivo – é uma componente de valor inestimável – perdê-lo é perder a memória!

b)      Por sua vez, a falta de ficheiros transforma qualquer Biblioteca em simples armazém de livros. Cada livro tem que poder dizer: estou aqui! – Quando alguém o solicita. Essa resposta é fornecida pelas fichas que o situam e identificam entre milhares.

c)      A tudo me pareceu eivado do sentido de ataque pessoal – não responderei. Nem me belisca.

d)     Eu não estou em causa –  sim a Cidade!

e)      Recordo no entanto a V.Exª que nunca me coube, nem desejei, a honra e a responsabilidade de ter sido Presidente da Câmara. Jamais me senti capacitada para tanto. Não tenho de mim o deslumbramento que V.Exª parece ter de si próprio ao comprazer-se com tanta segurança na afirmação dos seus méritos. Sabe que me lembrou Cavaco Silva?

l)        Sobre o meu trabalho que V.Exª desdenha – torno publico que o Sr. Deputado Roque – do Partido Comunista ao ouvi-lo classificar de notável – pelo Presidente da Republica (opinião que pela mão da Drª Estrela Serrano reiterou por escrito em documento que conservo e nem à Câmara de então mostrei) – vendo-me discretamente na cauda do cortejo me segurou no braço e disse: “Vá para a frente. A obra é sua”

          Sorri-lhe grata e fui.

Tive assim a oportunidade de responder ao Dr. Mário Soares quando me perguntou em que área me formara – o mesmo que hoje repito:

Sou apenas uma mulher com alguma sensibilidade que, a viver, aprendeu o Amor pelas coisas.

E, já agora, a talho de foice, que me seja perdoada mais uma nota pessoal.

É que, se do que conta, tiro conforto – tiro ainda mais responsabilidade para o meu comportamento. Meu marido e eu estávamos em Angra – na Terceira – quando do terramoto.

Tivemos o trágico privilégio de ver cair uma cidade.

Sofremos impotentes a tortura de ver esboroar quase todo o casario e as igrejas da ilha.

Vi a meus pés, desfeita no chão, uma Sé quinhentista.

Vi e dei comigo entendendo o pouco que a minha vida valia frente a perda tão irreparável.

Foi este, Senhor Presidente, o meu “doutoramento” em Amor pelo Património Cultural.

Tão imenso. Tão violentamente gravado na minha alma que dele me ficaria – se o não tivera antes – esta feição de sentir quanto significava a vida da árvore, da casa, do beiral, da rua, da pedra, do muro, do banco, do recanto! – Desses aparentes pequenos nadas – que, juntos são o todo do nosso mundo.

m)    Sempre quis ser capaz de saber contar esta experiência, mas a falta de talento não me permitia verbalizar tamanha emoção.

 

Agradeço a V.Exª ter-me ensinado a frase de António Sardinha, que desconhecia, (vasto é o campo do que ignoro!) e tão primorosamente a interpreta.

      “Oh, como os mortos mandam”

É, isso! Ele sabia. Ele foi notável.

Na vida nós passamos. A vida, permanece e continua.

O Património Cultural – seja ele obra humana ou dádiva da Natureza – é o testemunho, a referência das gerações já idas – de quem somos herdeiros e nos torna devedores perante as gerações que hão-de vir.

Hoje, estou só.

Também já devo à Vida a perda de quem mais amei – o meu Companheiro de cinquenta anos.

É uma experiência duríssima que outros antes e depois de mim ou sofrerem ou sofrerão.

Mas, esta é a espécie de morte para a qual atavicamente estamos preparados como preço de existir. É o fim natural do ciclo da vida humana.

A morte do Património, não!

Essa, é um atentado contra o futuro.

Creia-me. Nada, penso, acontece por acaso.

Talvez eu tenha tido que viver tudo isto para dispor, hoje, desta força íntima, que me dá coragem para expor desta forma – direi, até contra natura – pela nossa cidade.

Talvez de tudo eu tenho colhido a valentia de ser humilde para não responder – como poderia fazer – aos despeitados remoques de V.Exª.

Eu não estou em jogo.

A Cidade é que está.

Reflitamos:

1)      Para por cobro ao crescimento desordenado de Elvas (que V.Exª e muito bem vitupera) criou-se passando por todos os trâmites legais o P.G.U.

2)      Entenderam os seus autores – e a cidade aprovou que a Quinta do Bispo deveria ser preservada como zona verde.

3)      Com essa decisão ela serviria de “tampão” ao casario entre a cidade e a Piedade moderando as construções. Conservaria elementos da génese da cidade (a cintura de hortas e quintas que já Aires Varela citava). Com o seu arvoredo, suas tílias centenárias, as suas velhas nogueiras sua arquitectura rural de barroco alentejano e o seu valor histórico-cultural – prestaria tributo à Poesia, à literatura, à inteligência da humanidade pelos ilustres que lá viveram.

4)      Eu era vereadora quando tal se decidiu.

5)      A Quinta era pertença de uma Amiga-Irmã (como às vezes se tem a sorte de ter – e eu tive) – contei-lhe o que constava do projecto. Minha amiga advertiu-me: “Não levantes um dedo para libertar a Quinta do P.G.U. antes quero a Quinta ao serviço da cidade do que retalhada para enriquecer seja quem – nem que seja a mim” Quem (ela era a mãe frente  à justiça de Salomão) a comprou sabia-a zona verde. Alegrou que o fazia porque era do agrado de sua mulher, que talvez lá vivessem, lá criassem cavalos… Fantasias!...

6)      Pouco tempo depois o Quinteiro que lá nascera o filho do falecido Eudócio, que Deus guarde – foi convidado a sair.

7)      O portão foi fechado a cadeado e corrente. As árvores só voltaram a beber da chuva que o céu mandou e muitas sossobraram a sua ruína foi calculada com a precisão de quem executa um acto de terrorismo que foi! E, é!

8)      A calculada degradação dá agora ao lobo a pele de cordeiro para aparecer pela 3ª vez na Câmara a pedir alteração de leis para seu governo.

9)      A Câmara – coitadinha!!! – Comove-se e frente a chorudas contrapartidas vende a sua anuência à alteração da lei.

1)      Duas vezes os técnicos da Câmara, com que trabalhei, e que sei serem Gente de Bem e profissionais competentes disseram não. Lei é lei – igual para todos.

2)      Vem então de Évora o Sr. Arquitecto Barral. Deduzo que o curso dele tem a componente dos “planos de pormenor” – que os nossos ignoram – e o resultado está à vista.

3)      Não sente V.Exª Senhor Presidente que acaba de dar o seu aval a todas as “Brandoas” que alguém desejar?

4)      Não vê que defrauda Elvas em benefício de prevaricadores…

5)      Por muito menos, noutros países, se julgam e condenam estes actos de terrorismo.

6)      No nosso país já se actua contra os incendiários.

7)      Esses, trabalham o fogo – estes, a frio!

8)      Então quem destrói património é premiado?

9)      Até que a operação proposta por V.Exª seja consumada a Quinta é ainda: zona protegida – património de todos nós.

10)  Didáctico era exigir dos proprietários da Quinta a correcção da sua nociva postura cívica – a troco dela lhes ser expropriada.

11)  Eu levantei as questões – do gravíssimo precedente que V.Exª abre sobrepondo interesses particulares aos interesses da Cidade.

12)  Faça-o com o arrepio de repulsa que me causa tanta astúcia e tanta hipocrisia dos actuais donos da Quinta.

 

V.Exª tem o poder de lhe dar solução só que desta vez é definitivo.

V.Exª. não poderá emendar a mão, como no caso da licitação – lembra?

A resposta que V.Exª der – é à história.

É ao futuro. Não a mim.

Isto não é desafio onde alguém perca.

Isto é um ponto crucial na vida de qualquer cidade.

Agora é a nossa – a nossa Elvas!

Terá V.Exª a coragem da humildade de construir o terminal proposto pela Câmara anterior? Em lugar de querer somente realizar projectos próprios? (Recordo o telefonema de V.Exª).

A escolha é sua, Sr.Presidente.

Eu, acabo de responder – como fui capaz – ao seu convite feito pela rádio na noite da sua vitória eleitoral a pedir a ajuda de todos.

Não foi por gosto que vim à ribalta.

Retiro-me! Fiz o que me foi possível. Um pouco emocionada – talvez – como é meu jeito perdoe-me!

Creia, que, bem gostaria de o chamar com toda a convicção de: Meu Presidente. V.Exª é ousado.

E, isso pode ser uma grande qualidade para um chefe que não se deixe cegar por orgulhos.

Parabéns por Elvas cidade branca!

Bem-haja pela iniciativa cultural que nos fez recuar aos tempos da Elvas cidade-limpa que todos recordamos com saudade.

Creia-me respeitosamente.

..

NOTA:

Para que se compreenda a minha insistência em citar o nome do Sr. Arquitecto Barral esclareço.

A Quinta do Bispo pode ser consagrada como Parque com o parecer favorável do Chefe de Divisão da Comissão de Coordenação da Região Alentejo que é justamente o Sr.

..

A MINHA GRATIDÃO

Aos Doutores António Barradas e Sílvio Bairrada

 

Lá, nesse “outro” Alentejo, de onde provenho – quando garota – costumava ir esperar o gado à hora de beber, para falar com um “Grande Mestre” que tive, um velho maioral – o ti Carrapiço.

Na hora da despedida, ele, sempre me dizia:

“não tenho boca avondo que encareça a companhia da menina”.

Hoje, - a mais de meio século de distância sinto a necessidade de fazer minha a humildade dessa pura expressão da alma alentejana – para vos dar a medida do conforto da vossa “companha” que me honra, desvanece, procurarei saber merecer e também a minha gratidão.

 

Maria José Rijo

 

sinto-me:
música: Presente - documentos nº 15
publicado por Maria José Rijo às 18:30
| comentar | ver comentários (4)

.Quem sou

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Agora diz-se

. Carta de Leite Rio

. Projecto do Forte de Sta....

. Leitores escrevem sobre a...

. Carta de apoio de Joaquim...

. Carta -- Dr. João Falcat...

. Carta de Matilde Rosa Ara...

. MAIS UMA CARTA E… um cheq...

. QUINTA DO BISPO – O episó...

.Ficou Escrito...

. Junho 2017

. Maio 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.Por onde me levo

.Contador - Julho-2007

.Ficou Escrito:

Câmara de 1986 - 1989 @@@@@@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@@@@@

.Excertos de artigos

Considero que é urgente e necessário provar aos nossos jovens que o dinheiro não compra consciências e é de nossa obrigação dar-lhes alternativas à droga e ao vício, mostrando-lhes que se pode lutar por ideais - dessinteressadamente - e que, só assim procedendo teremos moral para apontar caminhos e fazer exigências - do que dermos exemplo... - Maria José Rijo @@@@@@@@@@ Os elvenses de agora são dessa mesma grata e honrada gente - que a qualidade de assim o ser é deles a melhor herança. ... - Maria José Rijo
blogs SAPO