Domingo, 25 de Maio de 2008

Argumento do Hyssope

 .

José Carlos de Lara, Deão da Sé de Elvas, querendo obsequiar o seu Bispo, o Excelentíssimo e Reverendíssimo Dom Lourenço de Lencastre, vinha oferecer-lhe o Hyssope à porta da casa do Cabido todas as vezes que este Prelado ia executar as suas funções na Cathedral.

Depois, esfriando entre eles a amizade por motivos que nos são ocultos, mudou o Deão o sistema; o que o Bispo sentiu em extremo como uma grande afronta à sua ilustríssima Pessoa; e para obrigar o mesmo Deão a continuar no costumado obséquio, conseguiu por meio de alguns seus parciais do Cabido, que este lavrasse um Acórdão, pelo qual o Deão fosse obrigado, debaixo de certas multas, q que não o esbulhasse da pretendida posse em que se achava.

Deste Acórdão appelou  o Deão para a Metropoli, onde teve sentença contra si. Esta é a acção do Poema.

Passado pouco tempo depois da referida sentença, morreu o Deão, e lhe sucedeu no Benefício hum sobrinho seu, chamado Ignacio Joaquim Alberto de Mattos; o qual recusando sujeitar-se, como seu Tio, a sobredita obrigação, foi pelo Bispo asperamente repreendido, e ameaçado.

Então interpôs o mesmo hum Recurso para o Juiso da Coroa, o qual mandando continuar vista da petição ao Bispo do estylo; ele,possuído de hum terro pânico, se não foi temor reverencial, desistindo da imaginada posse, negou haver tal Acórdão, e tudo quanto tinha obrado a este respeito.

Tudo, isto, que se seguiu depois da Sentença da Relação Eclesiástica de Évora, da matéria ao Vaticano de Abracadadabro, e he hum dos episódios, que entrarão na composição deste Poema.

.

Dr. João Falcato

 

 

sinto-me:
música: O pOema em 8 cantos
publicado por Maria José Rijo às 18:20
| comentar
Sexta-feira, 23 de Maio de 2008

O Marquês de Pombal entra na história do Hyssope

O Bispo de Elvas, Dom Lourenço de Lencastre era do sangue do Duque de Lencastre que a Inglaterra veio em auxilio do Mestre de Avis e que deixou uma filha Rainha e a “Ínclita Geração”.

De boa linhagem, manda a justiça que se diga que prestou assinados serviços à Igreja. Ligado aos Marqueses de Lavradio, conde de Avintes e Marqueses da Mina, era filho do ilustre Dom Rodrigo de Lencastre.

Para ganhar serenidade, fugindo ao farfante Deão e ao poeta do Hyssope, deixa o seu palácio na cidade, compra aprazível Quinta nos subúrbios de Elvas que, por esse só facto se passa a chamar “Quinta do Bispo”.

Quando se apresta para ocupar aquele paradisíaco local, ó céus, verifica que dele, de todos os pontos, se enxerga o Convento de S. Francisco onde se acolhia o Lara. Manda que uma sebe frondosa de árvores exóticas o liberte da visão.

Por tão frondosa vegetação, o poeta do Hyssope chama à Quinta a “versailhes “ de Elvas.

Liberto do Deão pela protecção das árvores, como igualmente se havia de libertar do poeta!? Recorre para o “Juiso da Coroa”, que despropósito, para administrar justiça, exige que venha à sua presença o poeta e, no seu gabinete, recite para ele na presença do Bispo partes do poema que previamente tinha marcado.

No final despachou o Bispo para Elvas e castigou o poeta nomeando-o para o mais alto cargo das Justiças do Brasil.

.

@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.276

2 de Dezembro de 1994

 

 

@@@

 

sinto-me:
publicado por Maria José Rijo às 21:37
| comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 14 de Maio de 2008

Sejamos lógicos

Se eu afirmar “gosto muito de Olivais”, ninguém espera que eu arranque todas as minhas oliveiras!...

Em 2 de Março de 1986 – faleceu com 98 anos de idade a Senhora Dona Gica - que fora proprietária da Quina do Bispo até cerca de 1980.

 

Em 25 de Abril de 1974 – Se, ainda hoje, pessoas colocadas em lugares de responsabilidade – de quem se espera atitudes justas e isentas – promovedoras de união e consenso, escamoteiam o sentido de justiça e a lucidez de corajosos actos de amor a Elvas…

- Se os transformam em baixa e cinzenta politiquice, com insinuações de fascistas e mais não sei quê – a quem se nega à ofensa de chamar de “literato” um dos grandes Homens das letras portuguesas…

Haverá alguém que não entenda – num rápido olhar – que foram os outros iguais a esses – aqueles que, confundindo e baralhando em lugar de discutir, os que “perfumaram” com ódio os cravos da revolução de Abril – que forçaram essa generosa e grande Senhora a salvar entregando à Igreja, o espólio de seu marido que de todo o coração ela tinha querido entregar a Elvas?!

Se 20 anos passados após o 25 de Abril…

Hoje ainda se usa o mesmo artifício, de forma tão pouco ética, pensemos nas horas dramáticas que terá suportado tão Santa Senhora, sob ataques de fanatismos ignorantes, à memória de seu marido…

Em 24 de Outubro de 1989 a Quinta do Bispo é comprada ao casal Sousa Lopes pela verba de 47.500 contos, esta é a verba autêntica e não outras…

(Tenho cópia de toda a documentação relativa ao acto, desde o número dos cheques, às importâncias, aos nomes dos dois intermediários comissionistas – tudo – até à carta de protesto do vendedor quando se apercebeu de “factos” que tanto o magoaram (por virem de “amigos”que, pode dizer-se, lhe abreviaram a morte).

 

Tenho porque me deram – e guardo porque, tudo quanto digo e faço, nada tem de agressão pessoal contra ninguém nem visa escândalos ou atitudes menos limpas.

Visa tão simplesmente ajudar Elvas.

Assim, aconteça o que acontecer, que ninguém possa desculpar-se, agora, ou no futuro, dizendo:

-- Ninguém me esclareceu! – Não sabia!

Acontece, que estou no “Linhas de Elvas! Desde a hora em que o jornal nasceu e, este semanário que vive e pulsa à sombra da mais importante batalha da independência de Portugal tem esse enigma de fé:

Serve sem medo a cidade e o concelho como uma voz de consciência indómita e corajosa, ignorando pressões – ousando falar verdade – sem titubear, como nesta hora em que levanta uma questão  nacional – a insensatez dos loteamentos não ponderados.

O Linhas não loteia! O Linhas norteia.

Assim – resumindo e concluindo:

Numa zona verde – protegida pelo P.G.U. – alguém compra uma Quinta.

Para quê? Para a habitar? Para arrendar ou cultivar? – Não!

Compra-a para driblar leis e princípios.

Compra-a porque menospreza a inteligência dos seus concidadãos.

Compra-a para esperar a hora de facturar e lotear – esta é a questão isto é evidente.

Isto é feio!

Isto é tão feio, como chamar a António Diniz da Cruz e Silva “literato” – como ousou fazer o despeitado Bispo D. Alexandre de Lencastre… Daí, todo o ridículo que imortalizou no “Hyssope”- e, a gargalhada que o acompanha já há dois séculos e o acompanhará através dos tempos nessa  obra prima da literatura portuguesa tão ligada à histórica “Quinta do Bispo”

Soluções possíveis:

a)    Os proprietários habitam e cuidam a quinta.

b)    Os proprietários vendem a quinta – que continua a ser zona verde – mas que por estar há seis anos entregue à incúria e ao desleixo se encontra fortemente desvalorizada pela morte de mais de 100 amendoeiras, laranjeiras e outras árvores de fruto e ornamentais.

c)    A Câmara cria para lá um projecto de utilidade pública que respeite o seu valor histórico – cultural organiza um dossier com todos os elementos já ventilados e outros e procede à sua justa expropriação.

 

Daqui não há que fugir – porque não há contrapartidas (de terminais acanhados e mal implantados) que tapem o sol com uma peneira – nem passeios em manhãs de sábados soalheiros, nem finais de telenovela ao vivo em cine-teatros que confundam a verdade evidente.

A última usufrutuária da casa à direita da entrada da Quinta faleceu em 22 de Junho de 1993.

Porém o apartamento do caseiro como todo o restante espaço tem estado inteiramente ao abandono desde 1989.

O povo trabalha e cumpre.

Quem o levanta é o desmando de quem governa.

O povo entende quando:

-- Por fora há cordas de viola e por dentro pão bolorento! E… não há branco que o encubra!

 

 

                                Maria José Rijo

 

€€€€

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.275 – 25 Novembro de 1994

 

 

 

sinto-me:
publicado por Maria José Rijo às 18:43
| comentar

.Quem sou

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Agora diz-se

. Argumento do Hyssope

. O Marquês de Pombal entra...

. Sejamos lógicos

.Ficou Escrito...

. Junho 2017

. Maio 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.Por onde me levo

.Contador - Julho-2007

.Ficou Escrito:

Câmara de 1986 - 1989 @@@@@@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@@@@@

.Excertos de artigos

Considero que é urgente e necessário provar aos nossos jovens que o dinheiro não compra consciências e é de nossa obrigação dar-lhes alternativas à droga e ao vício, mostrando-lhes que se pode lutar por ideais - dessinteressadamente - e que, só assim procedendo teremos moral para apontar caminhos e fazer exigências - do que dermos exemplo... - Maria José Rijo @@@@@@@@@@ Os elvenses de agora são dessa mesma grata e honrada gente - que a qualidade de assim o ser é deles a melhor herança. ... - Maria José Rijo
blogs SAPO