Terça-feira, 25 de Março de 2008

AINDA O FORTE DA GRAÇA

Realmente o meu propósito hoje, nesta conversa solta, é ainda falar sobre o Forte da Graça.

Acontece que me recordei de ter tido conhecimento (quando se aventou a hipótese da sua desactivação, julgo que aí por 89, 90?) de uma sugestão para aproveitamento do Forte, adaptando-se a Museu – feita pelo Coronel Nuno Valdez dos Santos.

Mais! Pelo General Themudo Barata foi, ao tempo, nomeada uma Comissão encarregada de estudar o assunto.

Dela faziam parte o Brigadeiro Lemos dos Santos, do Museu Militar, o Coronel Santos Reis, Dir. Serv. Histórico e um Oficial do Serv. Histórico e um Oficial do Serviço de Fortificações e Obras Militares. A comissão apresentou um relatório favorável à criação no Forte da Graça do “Museu da Arquitectura Militar”.

Do despacho final nada sei. Aceito poder haver algum lapso ou troca nos nomes que cito, dada a distância no tempo e as circunstâncias da minha vida particular que me afastaram destas e de outras preocupações com a vida da Cidade.

Agora porém, estes acontecimentos recentes impuseram-se-me de tal modo que o que parecia definitivamente esquecido se tornou presente.

Assim, calha-me, hoje, tornar públicos estes factos de que quase não me lembrava e que provocam como no meio militar houve – graças a Deus – quem tivesse sido sensível ao duvidoso destino que poderia ameaçar a Fortaleza e tivesse tido o cuidado e o sentido de Estado de prever para ela aproveitamento compatível com a sua grandeza e valor histórico.

Honra lhes seja!

Nesta altura em que se quer desdizer o que indesmentivelmente está escrito no Diário da República – apetece também reafirmar, e nunca se repetirá à saciedade – que o povo não é tolo nem facilmente manipulavel – pois que, por ancestralidade, tem a intuição aguda da importância das coisas que sabe, aprendidas a fundo na universidade da vida.

Também parece oportuno falar como “achega para valorizar a peça de leilão” que o culto dos antigos deuses da Lusitânia foi muito praticada por estas terras de Elvas.

                        

CITO ANTÓNIA SARDINHA:

 

“ Ó Endovélico, ó menino antigo,

  que esta paisagem adorou temente,

  os horizontes ainda estão contigo,

  alembram-se de ti saudosamente.

 

  Pedem ao Céu perdão p’ra teu castigo,

  Ó pensativo, ó meigo adolescente.

  Acharam em Jesus um doce abrigo,

  Querem que tu o aches igualmente. “

 

Para acréscimo vamos a “Religiões da Lusitânia” de J. Leite de Vasconcelos onde depois de tomarmos consciência da importância do culto ao Deus Endovélico sabermos também onde havia santuários para o culto da deusa Atégina…

Ora… diz a lenda? Que o santuário de Atégina era precisamente onde para enterrar essas marcas pagãs logo após a conquista de Elvas por D. Sancho se estabeleceram os pregadores que fundaram o tal convento de S. Domingos…

Que o convento lá existiu – conta Ayres Varela.

Que a bisavó de Vasco da Gama sobre as suas ruínas mandou construir a capela em louvor de Nossa Senhora da Graça também é verdade histórica…

Do resto – quem se interessar que investigue…

De qualquer modo, assim como os fantasmas valorizam os castelos ingleses – pode ser que ajude a um bom preço esta auréola de deuses e mitos que coroa a nobre fortaleza situada como se diz no “Santuário Mariano”:

                          

“ Meya legoa fora da cidade de Elvas, se vê o Santuário e casa de Nossa Senhora da Graça situada em huma fragosa montanha, formada de penediais, de antigamente intratável por espessura de matoa; mas hoje aberta e cultivada. He esta casa da Senhora muyto antiga, e alguns querem que tivesse princípio, pouco depois que a Cidade de Elvas foy tomada aos Mouros, que foy pelos annos 1.200, a segunda vez que a tomou D. Sancho II outros querem, que esta casa a edificasse Catharina Mendes, Senhora Illustre, que casou em Elvas com Estação Vaz da Gama, do qual ficou viúva sendo de dezoito annos. Viveo sempre em Elvas, e muytos annos, com grande exemplo  de virtude , e honestidade. Com a sua muyta virtude, e grande devoção que teve a Nossa Senhora, lhe edificou a Ermida de Nossa Senhora da Graça, de que agora tratamos; e se ella já havia sido erecta, a reedificou, e fez novamente, e tomou della o Padroado.”

 

Foi este o Santuário que o Forte envolveu e abraçou…

É este “mundo” que vai à praça!!!

 

                           Maria José Rijo

@@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.261 – 12- Agosto – 1994

Conversas Soltas

sinto-me:
música: Forte da Graça
publicado por Maria José Rijo às 23:16
| comentar | ver comentários (1)
Segunda-feira, 24 de Março de 2008

DAQUI A POUCO… SÓ MAIS UM POUCO…

“ Se este esboço de monografia conseguir o fim patriótico a que se destina – o de o vulgarizar a alta importância da nossa primeira obra de fortificação militar e o esforço titânico dos homens que a construíram – o autor dá-se plenamente por satisfeito”

Forte da Graça, 18 de Abril de 1929.

 

Excerto da introdução de Domingos Lavadinho ao seu livro “O Forte da Graça Esboço de uma Memória Histórica e Descritiva”.

 

Citando, Aires Varela, conta Domingos Lavadinho, no seu livro – “O Forte da Graça Esboço de Uma Memória Histórica e Descritiva” – que foi a bisavó de Vasco da Gama, Catarina Mendes, quando já viúva de Estêvão Vaz da Gama com quem contraíra matrimónio aí por 1.380 – quem promoveu a reedição duma ermida abandonada, que fora parte do Convento de S. Domingos da Serra, e, nela fez colocar uma imagem de Nossa Senhora da Graça.

Essa imagem, por milagrosa, deu seu nome ao monte, antes chamado de S. Domingos, à ermida e posteriormente por Santa Maria da Graça se designou também o forte em torno dela construído sob a traça do Conde de Lippe na segunda metade do séc. XVIII.

- Nestes tempos. Nestes nossos tempos em que com palavras empoladas tanto se fala na glória dos descobrimentos, enraizamentos históricos e mais floreados de retórica – bonitos de dizer – para dar ares e pose…

- Nestes tempos, apetece perguntar onde pára a consciência do que tão emproadamente se apregoa e a coerência entre a atitude e a palavra de compromisso que tão ligeiramente se esquece…

É que o divórcio entre ambas reduz tudo à cotação de pechisbeque e a eloquência a palavreado de banha da cobra enganosa e aviltante.

quando o estado resolve alienar património sem se dar ao cuidado – sequer – de auscultar a cidade que o comporta e a que ele dá carácter…

- Como se sente o País?...

- Como se sente a cidade lesada e agredida?

Os governos passam, mas os efeitos de decisões destas são irreparáveis e permanecem…

Espera-se dos governos que sirvam os povos.

Não é imaginável que os espoliem e envergonhem.

Enquadrando estes problemas entre outros da nossa vida actual, somos levados a reconhecer que decisões como esta, que desrespeitam a história e patenteiam falta de coragem para recuperar património, falta de criatividade, falta de sentido de responsabilidade na defesa de valores pátrios…

(Talvez esta expressão agora seja subversiva ou pejorativa…)

Eu uso-a como “in illo tempore” a aprendi repassada de emoção…

Mas, dizia eu, decisões como esta são a causa primeira de muitas outras coisas que se deploraram.

- Quando vêm de cima os exemplos de falta de devoção por valores herdados…

- Quando vem de cima a negação de idiais e princípios que estão no fundamento de ideias e sonhos…

- Que espaço se deixa aos novos, que caminhos se lhes abrem, que horizontes de vida se lhes oferecem?...

- Se nada há que valha a pena honrar, respeitar, salvar, conversar a solução “luminosa” proposta é arranjar dinheiro quanto mais fácil, melhor, seja lá à custa do que quer que seja…

- Como estranhar depois a frustração, o desencanto que levam à droga e à marginalidade as gerações para quem somos referência?!

Olhando e sofrendo a leviandade de tão presunçosas soluções…

Olhando e sofrendo com o estado deplorável a que chegou um monumento ímpar que, há meia dúzia de anos – frente à impotência da cidade – deixaram os “auto-proclamados donos” degredar…

Olhando e sofrendo a dor de uma cidade submissa frente à arrogância de posse expressa pelas placas (Património do Estado) que tornam intocáveis imóveis, preciosos, que se foram arruinando e que teriam – sem grandes gastos – se aproveitados a tempo, resolvido problemas de falta de espaço que sufocaram rasgos de progresso que, assim, a Elvas foram negados…

- Olhando e sofrendo a afronta de à cidade não terem sido restituídos esses bens que sendo do estado – são património do povo e, neste caso, dos elvenses e que terminada a sua serventia militar deveriam de imediato abrigar outros serviços de interesse público…

… Sabendo todos e qualquer um de nós que edifício abandonado é edifício condenado à morte … É lícito concluir (excluído, claro, a hipótese de irresponsabilidade de quem decide) que esta não é uma situação de acaso mas, sim, o resultado lógico de um maquiavélico projecto…

Mandar, decidir… é antes de mais assumir a obrigação de prever, planear…

- Pensando em tudo isto e no desembaraço estranhamente singular, como tudo se despreza, e pisa e atropela de forma tão simplista – julgo ver o nosso país como quem vê o Paco da anedota dos pistoleiros:

- “Como te chamas?

- Paco,

- Te llamavas!”

Depois, terminada a proeza o “herói” afasta-se, impune, assoprar os canos da arma que volteia no dedo metido ainda no gatilho e encaixa de novo no coldre.

- Pois é!

- Com tiros tão certeiros, daqui a pouco…

- Só mais um pouco…

- Portugal – era!

 .........................

NOTA:

Ainda hoje não percebo porque o retrato de “Vítor Manuel” que fora oferecido a “Lanceiros I” foi parar a Estremoz!

Porque não herdou o Museu de Elvas um documento iconográfico tão valioso que era legitimamente seu?!!

Extinguiram… extinguiram… até ao pormenor dos documentos históricos…

Já há anos, falei nisto, neste jornal.

 

                                         Maria José Rijo

 

 

@@@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.254 – 24 de Junho de 1994

Conversas Soltas

 

sinto-me:
música: Forte da Graça
publicado por Maria José Rijo às 15:48
| comentar | ver comentários (6)

.Quem sou

.pesquisar

 

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Agora diz-se

. AINDA O FORTE DA GRAÇA

. DAQUI A POUCO… SÓ MAIS UM...

.Ficou Escrito...

. Maio 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.Por onde me levo

@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@ @@@@@@ Campanhas @@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@@@@@

.Contador - Julho-2007

.Ficou Escrito:

Câmara de 1986 - 1989 @@@@@@@@@@@@@@
@@@@@@@@@@@@@@ O FORTE DA GRAÇA @@
@@@@@@@@@@@@@@@ A QUINTA DO BISPO
@@ANTÓNIO SARDINHA
@@@@@@@@@@@@@@@ Recuperação da Biblioteca Municipal -- Mandato de 1986-1989 @@@
@@Eurico Gama
@@@@@@@@@@@@@ Ex-libris- Eurico Gama
@@@@@@@@@@@@@ Forte da Santa Luzia
@@@@@@@@@@@@@ O Orgão da Sé
@@@@@@@@@@@@@ Escola Musica - Coral
@@@@@@@@@@@@@ Programa Cultura/Turismo Maria José Rijo- 1986-1989 @@@@

.Algumas fotos:

@@@@@@
@@@@@@
@@@@@@
@@
@@@@@@@@@@ Dr. Mário Soares
@@@@@@@@@@ Dr.Pires Antunes
@@@@@@@@@@ Drª Rosa Cidrais
@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@

.Excertos de artigos

Considero que é urgente e necessário provar aos nossos jovens que o dinheiro não compra consciências e é de nossa obrigação dar-lhes alternativas à droga e ao vício, mostrando-lhes que se pode lutar por ideais - dessinteressadamente - e que, só assim procedendo teremos moral para apontar caminhos e fazer exigências - do que dermos exemplo... - Maria José Rijo @@@@@@@@@@ Os elvenses de agora são dessa mesma grata e honrada gente - que a qualidade de assim o ser é deles a melhor herança. ... - Maria José Rijo @@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@
blogs SAPO