Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ficou escrito...

Sei para onde vou @ pela ansia de galgar a distância @ de onde estou @ para o que não sou @ *** Maria José Rijo @@@@ Sonhos em que acreditei -- causas que defendi

Ficou escrito...

Sei para onde vou @ pela ansia de galgar a distância @ de onde estou @ para o que não sou @ *** Maria José Rijo @@@@ Sonhos em que acreditei -- causas que defendi

O FORTE DA GRAÇA- Do nascimento à ruína XI

Elvas e o Forte da Graça no tempo das Invasões Francesas

 

“Preciosa achega do conhecido historiador de Elvas, Dr. Amílcar Morgado

 

            Como é sabido, os trabalhos de construção do Forte da Graça ficaram concluídos em 1793. Oito anos volvidos, surgiria a primeira oportunidade de pôr à prova tão importante obra de arquitectura militar.

            De facto, o governo português recusara aceder, às exigências de Napoleão Bonaparte para nos afastarmos da Inglaterra, país de que éramos tradicionalmente aliados e que o imperador francês queria derrotar militar e economicamente a todo o custo.

            Perante a recusa de Portugal em aceitar a intromissão de Napoleão na nossa política interna e internacional, este assinou com a Espanha uma convenção secreta, em Abril de 1797, para conquista do nosso país. Embora a guerra tivesse estado, então, iminente, por circunstâncias várias só veio a deflagrar em 1801, 4 anos mais tarde. Assim, em Maio desse ano, um exército espanhol invadia Portugal por vários pontos ao longo da fronteira comum e, no dia 20, apresentava-se em frente de Elvas, intimando o general governador D. Francisco de Noronha a render a praça, o que este repeliu com patriótica altivez, seguro como estava da solidez das suas fortificações e dos homens que as guarneciam. Após breves dias de cerco e em face da resposta altiva do governador, em contraste com outros chefes militares que se entregaram quase sem combater, o inimigo retirou-se, não se tendo registado mais do que escaramuças.

            Dado, porém, que noutros pontos do país o nosso exército sofreu várias humilhações por se encontrar desorganizado e ainda sem auxílio dos ingleses, o Príncipe Regente foi forçado a negociar a paz através do tratado de Badajoz. A troco dessa paz fomos obrigados a ceder Olivença e a pagar uma pesada indemnização em dinheiro.

            As exigências de Napoleão, entretanto, continuaram e, na sequência do tratado de Fontainebleau, a invasão do território nacional por tropas franco-espanholas, consumou-se.

            Assim, e reconhecida a inutilidade de um banho de sangue, em 1 de Dezembro de 1807, Elvas e os seus fortes foram ocupados sem luta por tropas espanholas que ficaram a governar conjuntamente com as portuguesas. Não tardou muito, porém, para que o desentendimento grassasse entre os invasores espanhóis, com o procedimento de Napoleão para com eles, pelo que, no ano seguinte, os franceses os vieram substituir.

            O governo da Praça foi, então, assumido, por um coronel francês e o Forte da Graça por um capitão, filho do mesmo coronel.

            Entre as medidas que tomaram de imediato, conta-se a redução das tropas portuguesas através do licenciamento dos militares que já tinham terminado a sua obrigação de serviço. Com os restantes organizaram alguns corpos que foram depois mandados para França, construindo a Legião Lusitana dos exércitos de Napoleão.

            Os portugueses, que haviam recebido sem luta as tropas comandadas por Junot, logo que estas começam a cometer todo o tipo de abusos, revoltaram-se.

            Elvas não foi excepção, pelo que, aos primeiros sinais de revolta, o coronel francês mandou transferir para o Forte da Graça muito armamento. Ele próprio, costumava dormir com frequência no Forte. Na noite de 8 de Julho, quando para lá se dirigia, caiu numa emboscada que lhe prepararam alguns militares e civis vindos de Campo Maior, de que resultou gravemente ferido. No entanto, só na manhã seguinte foi conduzido ao Convento de S. Domingos onde ficou em tratamento.

            A onda de ódio contra os franceses, que dia a dia ia aumentando, agravou-se mais depois de sufocada a revolta de Évora, a que se seguiu terrível saque pelas tropas do general Loison que, de passagem por Elvas, aqui deixou como governador o seu ajudante de ordens. Este, conhecedor de alguns actos praticados por patriotas, alertou o Juiz de Fora e a Câmara para o que se estava a passar, pedindo que tomassem as medidas convenientes para evitar ter de usar os rigores das leis militares.

            Já então as tropas inglesas tinham vindo em nosso socorro, sob o comando do general Wellesley, que derrotara Junot no Vimieiro. Assinada a Convenção de Sintra, foi permitida a retirada dos invasores com armas e munições.

            Poucos dias depois desta derrota dos franceses, o general Galluzzo, comandante de uma divisão espanhola, intimava o comandante das tropas francesas estacionadas em Elvas a retirar-se. Este recusou-se. Imediatamente saiu de Badajoz uma divisão (os espanhóis estavam agora contra os franceses) que pôs cerco ao Forte da Graça. No dia seguinte, perante nova intimação, o coronel voltou a recusar-se. Além da recusa, atreveu-se ainda a escrever ao Bispo, ao Juiz de Fora e ao Senado da Câmara, fazendo várias exigências quanto à segurança dos franceses hospitalizados e ao fornecimento de carne, palha e outros géneros para as guarnições francesas dos fortes e Santa Luzia e da Graça, além de um empréstimo pecuniário. Ameaçava, ainda, bombardear a cidade aos primeiros disparos contra as tropas.

            Perante esta situação, as autoridades civis de Elvas, juntamente com o Bispo, tentaram obter dos espanhóis a suspensão das hostilidades para evitar uma possível destruição da cidade pela artilharia do forte.

            A resposta dos espanhóis, porem, foi firme: se os franceses não se rendessem num prazo de seis horas, abririam fogo e as guarnições seriam passadas pelas armas. Entretanto, todos os militares franceses ainda na cidade se haviam acolhido já no forte a Graça. Assim, terminado o prazo, começou o bombardeamento que se prolongou por dois dias. Ao terceiro dia apareceu um contingente de tropas inglesas, à vista do qual os franceses resolveram render-se.

            Suspenso o bombardeamento, foi grande a satisfação dos elvenses, por verem capitular os franceses, tendo organizado de imediato uma junta provisional de governo, presidida pelo Bispo, que procurou pôr em funcionamento a ordem pública, tentando evitar, sobretudo, as vinganças contra aqueles que haviam colaborado com os invasores. Durante a 2ª e 3ª invasões Elvas não voltou a ser ocupada.

@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.275 – 25 – Novembro – 1994

Conversas Soltas

 

   

1 comentário

Comentar post