Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ficou escrito...

Sei para onde vou @ pela ansia de galgar a distância @ de onde estou @ para o que não sou @ *** Maria José Rijo @@@@ Sonhos em que acreditei -- causas que defendi

Ficou escrito...

Sei para onde vou @ pela ansia de galgar a distância @ de onde estou @ para o que não sou @ *** Maria José Rijo @@@@ Sonhos em que acreditei -- causas que defendi

Cartas do Sr.Padre Melo

De:

Instituto da Cultura e Coordenação Cientifica

Secretaria de Estado da Cultura

Instituto Português do Património Cultural

Instituto de José de Figueiredo

 

Para:

Exma Senhora

Presidente do Instituto Português do Património Cultural

Campo Grande, 83

1799 – Lisboa Codex

 

21 de Setembro de 1982

ASSUNTO: - Tratamento de Pinturas existentes na Sé de Elvas

 

Em referência ao oficio acima indicado, tenho a honra de informar V.Exª, de que as pinturas da Sé de Elvas foram examinadas no local em 12 de Abril último.

Embora não se torne urgente o seu restauro, terão de ser tratadas no Instituto, segundo uma ordem de prioridades a estabelecer e o tempo que houver disponível. Face ao grande número de trabalhos em curso nas oficinas.

Com os melhores cumprimentos.

 

O Conselho Directivo.

 

 

P:S: - As fotografias enviadas a título devolutivo, por serem necessárias à documentação do processo, só serão devolvidas depois da realização da brigada.

 

.

 

De:

Instituto Português do Património Cultural

Rua Ocidental ao Campo Grande, 83 – 1º Piso

(Edifício da Biblioteca Nacional)

1799 Lisboa Codex

 

Para:

Exmo. E Reverendo

Padre Joaquim José Carneiro de Mello

Avenida D. Sancho Manuel nº 22

7350 Elvas

 

18 de Outubro de 1982

ASSUNTO: - Tratamento de Pinturas existentes na Sé de Elvas

 Em referencia ao assunto  em epigrafe, cumpre-me levat ao conhecimento de V. Reverência, para os devidos efeitos, fotocópia da informação prestada sobre o assunto pelo Instituto de José de Figueiredo.

Com os melhores cumprimentos.

 

O Vice-Presidente

Justino Mendes de Almeida

 

..................

 

 

DE:

Instituto Português do Património Cultura

Departamento de Musicologia

Palácio Nacional da Ajuda

1300 Lisboa

 

PARA:

Exmo Senhor:

Pároco da Igreja de Nossa Senhora da Assunção (Sé)

7350 Elvas

 

8 de Março de 1984

ASSUNTO: - Restauro de Órgãos

 

Informo V. Exa. De que, devido aos condicionalismos financeiros actuais, não será possível, durante o corrente ano, encarar a possibilidade de restauro do órgão desse Monumento.

 

Com os melhores cumprimentos

 

O Vice-Presidente

Justino Mendes de Almeida

 

 

 

Cartas...

.

.

Presidência Do Conselho de Ministros

Secretaria de Estado da Cultura

Instituto Português do Património Cultural

Rua Ocidental ao Campo grande, 83 1º piso

(Edifício da Biblioteca Nacional)

1799 – Lisboa Codex

9 de Março de 1982

 

Exmo. Reverendo

Padre Joaquim José Carneiro de Melo

Av. D. Sancho Manuel, nº 21

7350 Elvas

 

Em referência à carta acima mencionada, solicito de V. Exa. Se digne enviar a estes Serviços, fotografias, se possível coloridas, das pinturas em causa, - Sé de Elvas -, a fim de se avaliar da possibilidade de restauro.

 

Com os melhores cumprimentos,

 

O Vice-Presidente,

Justino Mendes de Almeida

 

 

 

..

 

 

 

 

Elvas, 15 de Abril de 1982

 

Exmo. Senhor

Doutor Joaquim Mendes de Almeida

Digmo Vice-Presidente do Instituto Português do Património Cultural

Rua Ocidental ao Campo Grande, nº 83 – 1º Piso

1799 LISBOA CODEX

 

Respondendo à carta de V. Excia de 9 de Março de 1982, com a referência 82/11(24), envio inclusas as fotografias pedidas, sendo a do grande painel de Lorenzo Gramiera(1); e o de Santo António é atribuído a Bento Coelho da Silveira(2); e o autor do outro desconheço neste momento.

 

Agradeço muito a melhor atenção, que este assunto mereceu e subscrevo-me atenciosamente

 

O Pároco da Sé de Elvas

Padre Joaquim José Carneiro de Melo

 

.............

Juntei 4 fotografias:

Nossa Sra da Assunção(1)

Santo António (2)

Nossa Senhora das Vitórias(3)

 

Ex-Voto de Nossa Senhora de Guadalupe(4)

 

O Orgão da Sé

Revmo. Senhor

Padre Joaquim José Carneiro de Melo

Pároco de Nossa Senhora da Assunção

Elvas

27 de Março de 1981

 

Revmo. Senhor Prior

Agradecemos a carta de V.Reva. referente ao órgão da Sé de Elvas e também a interferência de Revmo. Cónego Dr. José Augusto Alegria.

Depois de consultar o nosso arquivo podemos informar o seguinte.

Em fins de 1959, há portanto 23 anos, fizemos uma estimativa para reparação do órgão, tendo a Direcção Dos Monumentos Nacionais mandado iniciar a obra.

Construímos um novo fole que foi transportado para aí e guardado na antiga casa dos foles.

No ano seguinte os trabalhos não continuaram, como estava previsto, julgamos que por falta de verba.

Quanto a nós, é-nos impossível tomar conta de qualquer trabalho antes do próximo ano.

 

Agradecendo mais uma vez, subscrevemo-nos muito atentamente

 

José Ramos Sampaio

 

Relembremos

Conhecedores das personalidades envolvidas e situados no tempo – Relembremos:

Quando tomou conhecimento da proposta para a recuperação do Órgão, foi a Comissão Organizadora – a nível local – contactada pelo saudoso Senhor Padre José Joaquim Carneiro de Melo (o Senhor Padre Melo como era carinhosamente conhecido na cidade) – congratulando-se com a proposta de tal realização e, pondo à disposição da dita Comissão, as provas dos esforços por si efectuados – em vão – com o mesmo louvável intento.

 

Elvas, 16 de Março de 1981

 

Exmo. Senhor:

Engenheiro João Sampaio

Digmo Organeiro Oficial dos Monumentos Oficiais

Travessa do Monte, nº 7

1100 Lisboa

 

 

Ando preocupado com o órgão da Sé de Elvas ( séc. 18), desde há alguns anos.

Dizem-me que, em tempos, levaram os foles para Lisboa, mas não me sabem dizer nem quem, nem para onde.

Com aquele peso e volume, a sua deslocação só poderia ter sido feita de acordo com OS EDIFICIOS E MONUMENTOS NACIONAIS.

Estão dezenas de tubos tirados, certamente com a intenção de os colocarem novamente.

Estão a ser cuidadosamente limpos do pó e recolocados pela mesma ordem…

Há dias, falando com o meu colega de Évora, Cónego Dr. José Augusto Alegria, sobre este assunto e solicitando-lhe colaboração, ele indicou-me V.Excia e foi perentório em afirmar que V.Excia ou me ajudaria a resolver o problema ou me indicaria o rumo certo, que deveria tomar. E é o que venho pedir-lhe.

Não me conformo que o órgão continue indefinidamente silenciado.

Ele deve ser igual ou parecido ao da Sé, digo, ao da Capela-mor da Sé de Évora, e é o único que temos na cidade com este porte.

Desde já agradeço a V.Excia toda a ajuda, que me possa dar e as indicações, que julgar mais úteis.

Subscreve-se, com muita consideração,

 

O Pároco de Nossa Senhora da Assunção (Sé), de Elvas

 

Padre Joaquim José Carneiro de Melo

 

 

 

 

 

O Órgão da Sé

Quando das celebrações em Elvas de -  O dia Mundial da Música 1987 – que a Secretaria de Estado da Cultura e o Instituto Português do Património Cultural – patrocinaram no primeiro mandato da Câmara presidida pelo Dr. João Manuel Valente Carpinteiro – uma das contrapartidas que a cidade recebeu foi, para além da criação da Casa da Cultura, e do apoio à criação da Escola de Música, o “restauro do Órgão da Sé”, e, ainda a edição fac-similada do Cancioneiro de Manuel Joaquim - seu achador - ou de Públia Hortênsia de Castro, como é mais conhecido.

Eram ao tempo -  Secretária de Estado da Cultura a Senhora Drª. Dona Teresa Patrício Gouveia.

Estava no departamento de Musicologia do IPPC o Senhor Dr. Humberto d´Ávila sendo Presidente do referido Instituto, o Senhor Engenheiro António Lamas.

Foram oradores oficiais das cerimónias a Senhora Profª Doutora Maria Augusta Barbosa, professora jubilada da Universidade Nova de Lisboa, (Departamento de Ciências Musicais, na altura docente da Faculdade de Letras de Lisboa, e, também na Universidade Autónoma de Lisboa “ Luís de Camões”( Universidade Particular)

E, também - O Senhor Cónego José Alegria, membro do Cabido da Sé de Évora, Sócio da Consotiatio Internationalis Musicae Sacrae, de Roma; Sócio correspondente da Academia Portuguesa de História; Sócio do Instituto Interamericano de Museologia (Uruguai); Sócio Honorário da Sociedade Brasileira de Musicologia; Sócio da Pontifícia Academia Mariana Internationalis, de Roma e membro da Sociedade Española da Musiologia e da Sociedade Portuguesa de Estudos Medievais.

(estas conferências foram, ambas, editadas em livro pela Câmara de então.