Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ficou escrito...

Sei para onde vou @ pela ansia de galgar a distância @ de onde estou @ para o que não sou @ *** Maria José Rijo @@@@ Sonhos em que acreditei -- causas que defendi

Ficou escrito...

Sei para onde vou @ pela ansia de galgar a distância @ de onde estou @ para o que não sou @ *** Maria José Rijo @@@@ Sonhos em que acreditei -- causas que defendi

Como nasceram a Escola de Música e o Coral Públia Hortênsia de Castro - III

Dona Maria Elvira Vaz Serra Cabrita, conhecia o Plano Cultural que fora apresentado à Senhora Secretária de Estado da Cultura Doutora Teresa Patrício Gouveia e que havia merecido a visita a Elvas do Doutor Joaquim Roque Abrantes para expressar, pessoalmente, a aprovação e apreço em que fora tido, e , do qual, pela oportunidade, aqui agora se mostram a introdução e o enunciado das rubricas que o integravam.

 

 

 [comministrada+cultura.jpg]

 .

 

Exposição Entregue À Senhora Secretária De Estado Da Cultura

 

Cultura

a) Introdução

 

b) Acções levadas a efeito durante o ano 1986 na Biblioteca

 

c)Acções levadas a efeito durante o ano 1986 no Museu

 

d)Principais Acções Culturais a levar a efeito durante o ano de

1987

 

e)Carências mais prementes na Biblioteca e no Museu

 

f) Algumas obras bastante carecidas de restauro

 

g) Obras com premente necessidade de serem editadas.

 

 

a) Introdução

 

                  A cidade de Elvas para ter o desenvolvimento Cultural

e Turístico de que necessita e merece deverá ser considerada no todo, como Cidade - Museu inter-muralhas, de modo que tudo nela se interligue, conjugue e funcione como peça única.

                   Dada a sua posição geográfica que a situa na Fronteira com Espanha, Elvas, deverá ser dotada de todas as condições para marcar desde logo as diferenças de cultura e maneira de estar no mundo, que definem os dois povos ibéricos – Português e Espanhol.

                    Elvas, pode e deve conviver longamente com o País vizinho, mas deverá ter condições para defender todo o seu património cultural identificador – muito especialmente a pureza da língua – tradições, história, música, usos, costumes, … etc, etc…   

                      Torna-se pois evidente a urgência de olhar Elvas não como “ a última cidade que está lá para junto da fronteira com Espanha” – mas, sim, como a “primeira cidade” que os milhares de utilizadores da fronteira do Caia, encontram ao pisar terra Portuguesa. Elvas tem que ser radical a defender a sua condição de cidade Lusíada – porque é aqui que Portugal primeiro se mostra e se define.

 

“ Chave defensa escudo

Sou do Reino Lusitano

Freio sou do castelhano

Elvas sou e digo tudo”

 

 Maria José Rijo